Brazilian Post Graduation Degree Studies: Evolution and Main Challenges in the Prospective Scenarios Environment

Gilberto de Oliveira Moritz, Mauricio Fernandes Pereira, Mariana Oliveira Moritz, Emerson Antonio Maccari

Abstract


This article aims to examine the evolution of post-graduation courses, as from its creation to the present day, based on the work undertaken by the Coordination of Higher Education Personnel Improvement - CAPES and the National Council for Scientific and Technological Development - CNPq, identifying the most important variables in the environment and its perspectives in the environments of future scenarios. It is also noteworthy that today the country goes through a period of the greatest breadth and importance of the post-graduation courses, a sector that consolidated itself for possessing national and international high qualification. In the present study, we proceed to the bibliographical review and to the documentary examination, to rescue the history of post-graduation degree courses and their main challenges, substantiated in an analysis involving variables that leads to the future of this environment, seeking through the methodology of prospective scenarios, to establish strategies for the continuity of these best practices in the future.

 


Keywords


Master Degree. MEC. Capes. MCTI. CNPq. Prospective scenarios.

References


Amorim, A. (1992). Avaliação institucional da universidade. São Paulo: Cortez.

Balbachevsky, E. (2005). A pós-graduação no Brasil: novos desafios para uma política bem sucedida. In C. Brock & S. Schwartzman. Os desafios da educação no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Barros, E. M. C. de. (1998). Política de Pós-Graduação: um estudo da comunidade científica. São Carlos: UFSCar.

Bernardes, J. F., & Melo, P. A. de. (2004). O papel dos programas de pós-graduação da Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC no desenvolvimento de políticas em administração universitária. UFSC. Recuperado em fevereiro de 2011, de http://www.inpeau.ufsc.br/coloquio04/a2.htm.

BRASIL. (1951). Decreto nº 29.741, de 11 de julho de 1951. Institui uma Comissão para promover a Campanha Nacional de Aperfeiçoamento de pessoal de nível superior. Lex: Coletânea de Legislação, Edição Federal, p. 324.

Brasil. (1965). Conselho Federal de Educação. Parecer nº 977/65. Definição dos cursos de pós-graduação. Brasília, DF.

Brasil. (2004). Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Documento da Área de Educação. Brasília, DF: Capes. Recuperado em janeiro de 2011, de http://www.capes.gov.br.

Brasil. (2011). Número de alunos que cursam pós-graduação aumentou 21,6% de 2006 a 2010. Disponível em . Acesso 10 abril de 2013.

CAPES, (2011). Avaliação da pós-graduação. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2011.

Carneiro Júnior, S., & Lourenço, R. (2003). Pós-graduação e pesquisa na universidade. In E. B.Viotti & M. M. Macedo (Orgs.). Indicadores de ciência, tecnologia e inovação no Brasil (pp. 169-227). Campinas: Unicamp.

CASTRO, C. de M. (2008). A pós-graduação e a Capes: o que deu certo e o que deve ser feito. Recuperado em 30 de novembro de 2010, de http://www.faculdadepitagoras.com.br/Documentos/SAIBA/Artigo/OPINI%C3%83O%20-%20A%20p%C3%B3s%20gradua%C3%A7ao%20e%20a%20Capes_103.doc.

CNPq (2011). Bolsas e Auxílios. Disponível em: . Acesso em 20 mai 2012.

Cunha, N. F. (1970, abril/junho). A crise da educação escolar e as tarefas da universidade. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 53(118), 258-273.

Giannetti, E. (2010, outubro). A civilização brasileira. Revista EXAME CEO. Ideias para quem decide. São Paulo, n. 7, p.16-33.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa (4a ed.). São Paulo: Atlas.

Lakatos, E. M., & Marconi, M. de A. (1992). Técnicas de pesquisa (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Maccari, E. A., Rodrigues, L. C., Alessio, E. M., & Quoniam, L. (2008). Sistema de avaliação da pós-graduação da Capes: pesquisa-ação em um programa de pós-graduação em Administração. Revista Brasileira de Pós-Graduação, 5(9), pp. 171-205. Disponível em: http://www2.capes.gov.br/rbpg/images/stories/downloads/RBPG/Vol.5_9dex2008_/Experiencias_Artigo3_n9.pdf. Acesso em: 06 jul 2012.

Maccari, E. A. ; Lima, M. C. ; Riccio, E. L. . (2009). Uso do Sistema de Avaliação da CAPES por programas de pós-graduação em Administração no Brasil. Revista de Ciências da Administração (CAD/UFSC), 11, pp. 1-15. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2012.

Machado, A. M. N., & Alves, V. (2005). Caminhos ou (des) caminhos da pós-graduação strictu senso em educação no Brasil. UNIPLAC; GT: Política de Educação Superior, n. 11.

Martins, R. (julho/dezembro 1999). A pós-graduação no Brasil: situação e perspectivas. Sociedade e Estado, 14(2), 273-297.

Moretto, L. N., Pacheco, A. S., & Coto, G. C. (2009, maio/agosto). Criatividade dentro da Educação: um estudo de caso do curso de Administração da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Revista da Ciência de Administração, 11(24), p. 221-245.

Moritz, G. de O. (2004). Planejando por cenários prospectivos: a construção de um referencial metodológico baseado em casos. Tese de Doutorado, Programa de Pós- Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina: Florianópolis, SC, Brasil.

O Estado de S.Paulo. Programas de Pós-Graduação. Recuperado em janeiro de 2011, de http://www.estadao.com.br/noticias/vida,mais-de-70-programas-de-pos-devem-ser-fechados-por-baixa-qualidade,609821,0.htm.

Oliveira Filho, E. C. de. (2005, março). Reforma universitária: o Plano Nacional de Pós-Graduação, 2005-2010. Anais da Conferência Nacional de Ciência e Tecnologia – Seminário Preparatório, 3, Brasília/DF, Brasil.

Pardim, V. I. ; Maccari, E. A. (2012) . O uso da educação online como estratégia para ampliar o acesso à pós-graduação stricto sensu brasileira. In: Congresso Internacional TIC e Educação, 2012, Lisboa. II Congresso Internacional TIC e Educação. Lisboa: Universidade de Lisboa, 2012. v. 1. p. 806-829.

Paixão, D. de B., Barbosa, J. S,. & Neves, K. P. (2009). A formação do bibliotecário no Brasil: quem forma o profissional da informação na região sudeste. UFMG. Recuperado em 24 de janeiro de 2011, de http:// www.ufg.br/this2/.../a_formacao_do_bibliotec_rio_no_brasil.pdf.

PLANO Nacional de Pós-Graduação – PNPG. 2010-2020. (2011). Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2011.

Popcorn, F., & Hanft, A. (2001). O dicionário do futuro: as tendências e expressões que definirão nosso comportamento. Rio de Janeiro: Campus.

Ribeiro, D. (1980). Os cursos de pós-graduação. Encontros com a Civilização Brasileira. 19, 73-79.

Ribeiro, D. (1978). UnB - invenção e descaminho. São Paulo: Avenir.

Romêo, J. R. M., Romêo, C. I. M., & Jorge, V. L. (2004). Estudos de pós-graduação no Brasil. Rio de Janeiro: Unesco. Recuperado em fevereiro de 2011, de http://www.ccpg.puc-rio.br/memoriapos/ textosfinais/romeo2004.pdf>.

Santos, C. M. dos. (2003, agosto). Tradições e contradições da pós-graduação no Brasil. Educação e Sociedade, 24(83), 627-641.

Saorim, R. N. S., & Garcia, J. C. R. (2008). O sistema de avaliação da Capes na visão dos gestores dos programas de pós-graduação da Universidade Federal da Paraíba. UFPB. Recuperado em 25 de janeiro de 2011, de http://www.dci2.ccsa.ufpb.br:8080/.../GT%204%20Txt%205SAORIM,%20Roberto

%com%20titutlo,pdf.

Schwartzman (1992). Apoio à Pesqisa no Brasil. Interciencia, 17, 6, p. 329-333

Silva, R. H. dos R. (2010). A Educação especial no âmbito da pós-graduação em educação no Brasil. UFG e Unicamp. Recuperado em 25 de janeiro de 2011, de http://www.anped.org.br/33encontro/app/webroot/files/file/P%C3%B4steres%20em%20PDF/GT15-6140--Int.pdf.

Triviños, A. N. S. (2006). Introdução à pesquisa em ciências sociais. São Paulo: Atlas.

UNB. Diagnóstico do desenvolvimento da Universidade de Brasília. Recuperado em janeiro de 2011, de www.visites.unb.br.

Velloso, J. (2004, setembro/dezembro). Mestres e doutores no país: destinos profissionais e políticas de pós-graduação. Caderno de Pesquisa, 34(123), 583-611.

Verhine, R. (2008, maio/agosto). E. Pós-graduação no Brasil e nos Estados Unidos: uma análise comparativa. Educação, 31(2), 166-172.

Wright, J. T. C. ; SPERS, R. G. (2000). Delphi - Uma Ferramenta de apoio ao planejamento prospectivo. REGE. Revista de Gestão USP, São Paulo, v. 1, n.12, p. 54-65.

Wright, J. T. C. ; SPERS, R. G. (2006) O País no futuro: aspectos metodológicos e cenários. Estudos Avançados, São Paulo, v. 20, p. 10-25.




DOI: https://doi.org/10.24023/FutureJournal/2175-5825/2013.v5i2.136

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM

Comments on this article

View all comments




Copyright (c) 2014 Future Studies Research Journal: Trends and Strategies

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Future Stud. Res. J. e-ISSN: 2175-5825

Mailing Address: Avenida das Nações Unidas, 7221 - CEP 05425-070 - Pinheiros - São Paulo/SP - Brasil

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.