Internacionalização de Empresas e Riquezas dos Acionistas

Cláudio Francisco Rezende, Vinicius Silva Pereira, Antonio Sergio Torres Penedo

Abstract


Objetivo: Investigar a relação entre a internacionalização das empresas e a riqueza de seus acionistas.

Método: A seleção da amostra foi realizada na Base de dados da Economática, considerando empresas brasileiras listadas na B3. O critério utilizado para identificar uma empresa multinacional foi a medida do grau de internacionalização DOI (UNCTAD 1995), utilizada pela Fundação Dom Cabral. O período de análise considerado neste trabalho foi de 2006 a 2013. Utilizou-se regressão com dados em painel.

Originalidade/Relevância: Uma das razões que leva as empresas a investirem no exterior é a busca por eficiência, a fim de gerar retorno para os seus proprietários. Portanto, surge a oportunidade de avaliar se a expansão internacional exerce influência sobre o aumento do valor da empresa das multinacionais de economias em desenvolvimento, sob a premissa de que, ao se internacionalizar, as empresas não só expandem o mercado em que atuam, mas passam a lidar com contextos diferentes daqueles apresentados às empresas domésticas, o que pode também influenciar na riqueza dos acionistas.

Resultados: Identificou-se que quanto maior o grau de internacionalização das empresas, maior o valor adicionado aos seus acionistas. Este resultado sugere que a decisão de internacionalizar pode aumentar a riqueza do acionista e, portanto, deve ser almejada pelos gestores.

Contribuições teóricas/metodológicas: Especificamente, foi estimado que em média anual a riqueza dos acionistas aumenta 219,1% para cada aumento de 1% no grau de internacionalização. Este resultado sugere que os acionistas percebem que seu retorno aumenta no caso das empresas se diversificarem investindo seu capital em ativos direcionados para mercados internacionais. Pode-se inferir que o mercado percebe que sua riqueza aumenta com o nível de caixa, investimento adicional em caixa, incremento em juros, dividendos e financiamento líquido. Ao contrário, o mercado considera que o aumento de endividamento reduz sua riqueza.

Contribuições sociais / para a gestão: Contribuir com conhecimentos práticos e teóricos sobre mercado de capitais na sociedade. Pretende-se orientar gestores na tomada de decisões sobre o conflito de agência entre acionistas e administradores.


Keywords


Investimento; Rentabilidade; Tecnologia da Informação; Setor Bancário Brasileiro

References


Agmon, T., & Lessard, D. R. (1977). Investor recognition of corporate international diversification. The Journal of Finance, 32(4), 1049-1055.

Almeida, J. R., & Eid Jr, W. (2014). Access to finance, working capital management and company value: Evidences from Brazilian companies listed on BM&FBOVESPA. Journal of Business Research, 67(5), 924-934.

Andersen, O. (1993). On the internationalization process of firms: A critical analysis. Journal of international business studies, 24(2), 209-231.

Brigham, E. F., & Daves, P. R. (2007). Intermediate Financial Management:: Thomson–South Western.

Cerceau, J., & Lara, J. E. (1999). Estratégias de Internacionalização de Empresas: uma abordagem teórica. EnANPAD, XXIII, Foz do Iguaçu.

Corhay, A., & Rad, A. T. (2000). International acquisitions and shareholder wealth Evidence from the Netherlands. International review of financial analysis, 9(2), 163-174.

Denis, D. J., Denis, D. K., & Yost, K. (2002). Global diversification, industrial diversification, and firm value. The journal of Finance, 57(5), 1951-1979.

Dörrenbächer, C. (2000). Measuring corporate internationalisation. Intereconomics, 35(3), 119-126.

Dunning, J. H. (1980). Toward an eclectic theory of international production: Some empirical tests. Journal of international business studies, 11(1), 9-31.

Ehrhardt, M. C., & Brigham, E. F. (2016). Corporate finance: A focused approach. Cengage learning.

Ellwanger, K. (2014). Fusões e aquisições de empresas transnacionais: um estudo de eventos sobre o retorno ao acionista. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, 18(1), 504-520.

Faulkender, M., & Wang, R. (2006). Corporate financial policy and the value of cash. The Journal of Finance, 61(4), 1957-1990.

FLEURY, A., & FLEURY, M. T. L. (2007). Internacionalização e os países emergentes. São Paulo: Atlas, 84.

Gordon, M. J. (1959). Dividends, earnings, and stock prices. The review of economics and statistics, 99-105.

Gujarati, D. N., & Porter, D. C. (2011). Econometria Básica-5. Amgh Editora.

Hassel, A., Höpner, M., Kurdelbusch, A., Rehder, B., & Zugehör, R. (2003). Two dimensions of the internationalization of firms. Journal of Management Studies, 40(3), 705-723.

Honório, L. C. (2009). Determinantes organizacionais e estratégicos do grau de internacionalização de empresas brasileiras. RAE-revista de administração de empresas, 49(2).

Hughes, J. S., Logue, D. E., & Sweeney, R. J. (1975). Corporate international diversification and market assigned measures of risk and diversification. Journal of Financial and Quantitative Analysis, 10(4), 627-637.

Ietto-Gillies, G. (1998). Different conceptual frameworks for the assessment of the degree of internationalization: an empirical analysis of various indices for the top 100 transnational corporations. Transnational corporations, 7, 17-40.

Johanson, J., & Vahlne, J. E. (1990). The mechanism of internationalisation. International marketing review, 7(4).

Johanson, J., & Vahlne, J. E. (2003). Business relationship learning and commitment in the internationalization process. Journal of international entrepreneurship, 1(1), 83-101.

Johanson, J., & Wiedersheim‐Paul, F. (1975). The internationalization of the firm—four Swedish cases. Journal of management studies, 12(3), 305-323.

Nunnally, J. (1978). Psychometric methods.

Oviatt, B. M., & McDougall, P. P. (2005). Defining international entrepreneurship and modeling the speed of internationalization. Entrepreneurship theory and practice, 29(5), 537-554.

Stal, E., & Campanário, M. D. A. (2010). Empresas multinacionais de países emergentes: o crescimento das multilatinas. Economia global e gestão, 15(1), 55-73.

Sullivan, D. (1994). Measuring the degree of internationalization of a firm. Journal of international business studies, 25(2), 325-342.

UNCTAD, G. (2013). World investment report, global value chains: Investment and trade for development.

Vernon, R. (1992). International investment and international trade in the product cycle. In International Economic Policies and their Theoretical Foundations (Second Edition) (pp. 415-435).

Xavier, A. N., & Turolla, F. A. (2006). A Internacionalização da Empresa Brasileira: A literatura e alguns fatos estilizados. Anais do IV Ciclo de Debates em Economia Industrial, Trabalho e Tecnologia, PUCSP, São Paulo.




DOI: https://doi.org/10.24023/FutureJournal/2175-5825/2020.v12i1.440

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM




Copyright (c) 2019 Future Studies Research Journal: Trends and Strategies

Future Stud. Res. J. e-ISSN: 2175-5825

Mailing Address: Avenida Drª Ruth Cardoso, 7221 - CEP 05425-070 - Pinheiros - São Paulo/SP - Brasil

The publications of this journal are licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.