Dimensões Empresariais e Institucionais da Internacionalização Acelerada

João Henrique Zancanaro, Priscila Rezende da Costa, Franklin Menezes da Silva

Abstract


Objetivo:  O objetivo foi analisar o alinhamento entre as dimensões empresariais e institucionais da internacionalização acelerada e a elaboração de um framework propositivo sobre a internacionalização acelerada.

Método: A pesquisa tem natureza qualitativa e abordagem descritiva, realizada a partir de estudo de caso, cuja unidade de análise foi a Empresa de Base Tecnológica (EBT) Nanovetores, no contexto do Sapiens Parque de Florianópolis.

Originalidade/Relevância: O estudo revelou os dezoito pontos principais e as 04 dimensões para a internacionalização acelerada de uma EBT, levando em consideração, um habitat de inovação.

Resultados: Os resultados da pesquisa evidenciaram que o processo de internacionalização da EBT analisada segue o modelo born global, destacando-se as seguintes particularidades: internacionalização acelerada em 2013, ou seja, cinco anos após a sua fundação, ocorrida em 2008; maior inovatividade nos processos; especialização do produto; vantagem tecnológica obtida pela instalação em um parque tecnológico; uso mais ativo de tecnologia da informação nos processos decisórios; uso de parcerias para inovar e importância de networks.

Contribuições teóricas/metodológicas: Sobre a principal contribuição, destaca-se a proposição de um framework sobre a internacionalização acelerada de EBTs, que compreende quatro dimensões (determinantes, antecedentes, indutora e facilitadora) envolvendo o âmbito interno da firma e o habitat de inovação, no qual a EBT está instalada.

Contribuições sociais / para a gestão: O framework propositivo serve de parâmetro para que gestores consigam ter um direcionamento sobre os principais pontos de uma internacionalização acelerada de uma EBT.


Keywords


Internacionalização Acelerada; Empresa de Base Tecnológica; Born Global; Inovação; Parque Tecnológico

References


Aaker, D.; Kumar, V., & Day, G. S. (2004) Pesquisa de Marketing. São Paulo: Atlas.

Ahonen, L. & Hämäläinen, T. (2012) Sustaining innovation : collaboration models for a complex world. New York: Springe.

Almeida, H. Perspectivas 2017 -cosméticos: inovação e diversificação de produtos estimulam vendas no país e também no exterior. Disponível em: http://www.quimica.com.br/perspectivas-2017-cosmeticos-inovacao-e-diversificacao-de-produtos-estimulam-vendas-no-pais-e-tambem-no-exterior/2/, Acesso em julho de 2017.

Anese, V.; Andriolli, E. M.; Dill, J. Q.; Guimarães,, J. C. F.; & Severo, E. A. (2016) Trajetória de empreendedorismo da empresa Norgau: caso para ensino. Revista Eletrònica de Administração e Turismo. Jul-dez. vol 9. Número 5.

Autio, E. & Sapienza, H.J. (2000) Comparing process and born global perspectives in the international growth of technology-based new firms. Frontiers of Entrepreneurship Research, Center for Entrepreneurial Studies, Babson College, 413-424.

Baker, T; Gedajlovic, E & Lubatkin, M. (2005) A framework for comparing entrepreneurship processes across nations. J Int Bus Stud 36:492–504

Bardin, L. (2002) Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, Ltda.

Bell, J. (1995) The internationalization of small computer software firms: a further challenge to “stage” theories. European Journal of Marketing, 29/8, 60-75, 1995.

Bloodgood, J., Sapienza, H.J. & Almeida, J.G. (1996) The internationalization of new high-potential U.S. ventures: antecedents and outcomes. Entrepreneurship Theory and Practice, 20/4, 61-76.

Borini, F. M.; Ribeiro, F. C. F.; Coelho, F. P. & Proença, E. R. (2006) O prisma da internacionalização: um estudo de caso. FACES R. Adm. · Belo Horizonte · v. 5 · n. 3 · p. 42-55 · set./dez.

Burgel, O. & Murray, G.C. (1998) The international market entry choices of start-up companies in high-technology industries. Journal of International Marketing, 8/2, 33-62.

Carvalho, S. & Paes, L. R. A. (2006). Drivers da internacionalização de born globals: estudo de uma empresa de syndication. In: 30º Encontro da ANPAD. ENANPAD, Salvador.

Caves, R. E. (1971) International Corporations: The Industrial Economics of Foreign Investment. Economica. v. 38, n. 149, p. 1-27.

CERTI - Fundação Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras . Consultorias Técnicas e Assessoramento. Disponível em: . Acesso em maio de 2017.

Coviello, N.E. & Munro, H.J. (1995) Growing the entrepreneurial firm: networking for international market development. European Journal of Marketing, 29/7, 49-61.

Coviello, N.E. & Munro, H.J. (1997) Networking relationships and the internationalization process of small software firms. International Business Review, v. 6, n. 4, p. 361-386, August.

Dalbosco, I. B.; Tonial, G. & Werlang, N. B. (2017) Empreendedorismo internacional: um estudo de caso em um cluster internacionalizado. Ágora: R. Divulg. Cient., v. 22, n. 1, p. 4-24, jan./jul. 2017 (ISSNe 2237-9010).

Dib, L. A. R.. (2008) O processo de internacionalização de pequenas e médias empresas e o fenômeno born global: estudo no setor de software no Brasil. 331 f. Tese (Doutorado) - Instituto Coppead de Administração, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Dimitratos, P & Jones, M. (2005) Future directions for international entrepreneurship research. Int Bus Rev 14:119–128

Dimitratos, P. & Plakoyiannaki, E. (2003) Theoretical foundations of international entrepreneurial culture. Journal of International entrepreneurship, v. 1, n. 2, p. 187- 215.

Dominguinhos, P., & Simões, V. C. (2004). Born globals: taking stock, looking ahead. In Conferência da EIBA, In Challenges to the International Business and Management.

Etzkowitz, Henry. (2009) Hélice tríplice: universidade-indústria-governo: inovação em movimento. Porto Alegre: EDIPUCRS.

Evangelista F (2005) Qualitative insights into the international new venture creation process. J Int Entrep 3:179–198

Fleury, A. & Fleury, M. T. L. (Org.). (2007) Internacionalização e os países emergentes. São Paulo: Atlas.

Fleury, A. & Fleury, M. T. L. (2011) Brazilian multinationals: competences for internationalization, Cambridge University Press.

Fleury, M. T.; Borini, F. M.; Fleury, A. & Oliveira Jr., M. M. (2007) Internacionalization and performance: a comparison of brazilian exporters versus brazilian multinationals. Revista de Economia e Gestão. Belo Horizonte, v. 7, n. 14, p. 57-94.

Floriani, D. E. (2010) O Grau de internacionalização, as competências e o desempenho da PME brasileira. Tese (Doutorado em Administração) Universidade de São Paulo: São Paulo.

Fonseca, J. J. S. (2002) Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC.

Freitas, A. G. (2016) A internacionalização como instrumento de planejamento Estratégico das empresas de alta tecnologia: um estudo de caso da Nanovetores S.A.

Gabrielsson, M (2005) Branding strategies of born globals. J Int Entrep 3:199–222

Hymer, S. (1976). The International Operations of National Firms: A Study of Direct Foreign Investment. Cambridge: MIT Press.

Johanson, J. & Vahlne, J. (1990) The mechanism of internationalisation. International Marketing Review, 7/4, p.11-24.

Johanson J, & Wiedersheim-PAUL F. (1975) The internationalization of the firm—four Swedish cases. J Manag Stud 12:305–322.

Jones, M & Coviello, N. (2005) Internationalisation: conceptualising an entrepreneurial process of behaviour in time. J Int Bus Stud 36:284–303

Knight, G.A. & Cavusgil, S.T. (1995) The born global firm: a challenge to traditional internationalization theory. In S.T. Cavusgil & T.K. Madsen, (eds.) Export internationalizing research – enrichment and challenges, (Advances in International Marketing, 8) (pp. 11-26). NY: JAI Press Inc.

Krippendorff, K. (1988) Content analysis: an introduction to its methodology. Newbury Park: Sage.

Löfsten, H.; & Lindelöf, P. (2002) Science parks and the growth of new technology-based firms academic-industry links, innovation and markets. Research Policy, Amsterdam, v. 31, n. 6, p. 859-876.

Lunardi, M. E. (1997) Parques tecnológicos estratégias de localização em Porto Alegre, Florianópolis e Curitiba. Curitiba, Ed. do Autor.

Madsen, T.K. & Servais, P. (1997) The internationalization of born globals: an evolutionary process?. International Business Review, 6/6, 561-583.

McDougall, P. P. (1989) International versus domestic entrepreneurship: New venture strategic behavior and industry structure. Journal of Business Venturing, v. 4, 387-400.

McDougall, P; Shane, S & Oviatt, B. (1994) Explaining the formation of international new ventures: the limits of theories from international business research. J Bus Venturing 9(6):469–487

Mtigwe, B. (2006) Theoretical milestones in international business: the journey to international entrepreneurship theory. J Int Entrep 4:5–25

Moen, O. (2002) The born globals: a new generation of small European exporters. International Marketing Review, 19/2, 156-175.

Monteiro, V. F. M. (2016). Internacionalização: estudo multi-caso: PME do setor das tecnologias de informação, comunicação e eletrónica: Portugal 2020 (Doctoral dissertation).

Moraes, S. T. A, Rocha, A., & Silva, J. F. (2017). Uso de redes no decorrer do processo de internacionalização: Estudo longitudinal no setor de software. Apresentação, 12(1), 76-90.

Nascimento, A. L. S. (2016). Proposta de framework para avaliação de fatores críticos de sucesso de parques científicos e tecnológicos (Master's thesis, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul).

Nesello, N. L. T. (2016). O papel das incubadoras de negócios na internacionalização de born global: estudo de caso da Nanovetores SA na incubadora CELTA.

Nunes, M. P.; Silva, R. T. P.; Vanti, A. A. & Antunes Jr. J. A. V. (2010) A inserção de empresas prestadoras de serviços de tecnologia da informação (TI) instaladas em parques tecnológicos: uma análise no contexto de cadeias globais. Análise, Porto Alegre, v. 21, n. 1, p. 18-29, jan./jun.

Oviatt, B.M. & McDougall, P.P. (1994) Toward a theory of international new ventures. Journal of International Business Studies, 25/1, 45-64.

Palvia, S. (2008) Challenges for Small Enterprises in the Sourcing Life Cycle: Evidence from Offshoring to India. Journal of Information Technology Case and Application Research, v. 10, n. 4, p. 75-84.

Pereira, A. J. P.; Araújo, G. P. & Gomes, J. S. (2006) Um estudo exploratório sobre as características do sistema de controle gerencial em empresas brasileiras internacionalizadas – estudo de caso Petroflex. En: XXX encontro nacional de pósgraduação e pesquisa em administração. Anais. Salvador.

Pereira, Y. V.; Moraes, W. F. A., & Salazar, V. S. (2017). Recursos competitivos no empreendedorismo internacional: uma análise qualitativa em empresas exportadoras. Gestão & Produção, Epub June 29, 2017.

Pinto, M & Pereira, R. (2016). As PME e sua internacionalização: um estudo de caso. R-LEGO - Revista Lusófona de Economia e Gestão das Organizações, Número Especial.

Rennie, M. (1993) Global competitiveness: born global. McKinsey Quarterly, 4, 45-52.

Rezende da Costa, P.; & Silveira Porto, G.; (2014). Governança tecnológica e cooperabilidade nas multinacionais brasileiras. RAE - Revista de Administração de Empresas, Marzo-Abril, 201-221.

Rialp A, Rialp J, & Knight G (2002) The phenomenon of early internationalizing firms: what do we know after a decade (1993-2003) of scientific inquiry? Int Bus Rev 14:147–166

Ribeiro, F. C. F. (2012) Born Globals Brasileiras: estudo de internacionalização de empresas de base tecnoloógica. USP: São Paulo.

Ricupero, R. & Barreto, F. M. (2007) A importância do investimento direto estrangeiro do Brasil no exterior para o desenvolvimento sócio econômico do país. In: ALMEIDA, A. (Org), Internacionalização de empresas brasileiras: perspectivas e riscos. Rio de Janeiro: Elsevier.

Rocha, A. Mello R. C. Dib, LO. A & Maculan, A. M. (2005) Processo de Internacionalização de Empresas Nascidas Globais: Estudo de Casos no Setor de Software. Enampad.

Siegel, D. S.; Westhead, P.; Wright, M. (2003) Science parks and the performance of new technology-based firms: a review of recent U.K. evidence and an agenda for future research. Small Business Economics, v. 20, p. 177-184.

Souza, R. (2005). Case Research in Operations Management. EDEN Doctoral Seminar on Research Methodology in Operations Management, Brussels, Belgium, 31st Jan.-4th Feb, 2005.

Thomas, D. E. (2007) International diversification and firm performance in Mexican firms: a curvilinear relationship? Journal of Business Research. 59(4), 501-507

Vernon, R. (1966) "La inversión internacional y el comercio internacional en el ciclo de productos". In: Rosenberg, N. (org.). Economia Del Cambio tecnológico. Trad. de Eduardo L. Suárez. México: Fondo de Cultura Econômica, 1979, 1. ed. (espanhol), El trimestre Económico, Lecturas, 31, p. 408-427.

Wright, R. W. & Ricks. D. A. (1994) Trends in International Business Research: Twenty-five Years Later. Journal of Business Studies, v. 25, p. 687-701.

Zahra, S. A.; Ireland, D. R. & Hitt, M. A. (2000) International expansion by new venture firms: international diversity, mode of market entry, technological learning and performance. Academy of Management Journal, v. 43, n. 5, p. 925-950.

Zahra, S. A & George, G. (2002) International entrepreneurship: the current status of the field and future research agenda. In: Hitt, M; Ireland, R; Camp, M & Sexton, D. (eds) Strategic leadership: creating a new mindset. Blackwell, London, pp 255–288.




DOI: https://doi.org/10.24023/FutureJournal/2175-5825/2021.v13i1.437

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM




Copyright (c) 2021 Future Studies Research Journal: Trends and Strategies

Future Stud. Res. J. e-ISSN: 2175-5825

Mailing Address: Avenida Drª Ruth Cardoso, 7221 - CEP 05425-070 - Pinheiros - São Paulo/SP - Brasil

The publications of this journal are licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.