Professional training or competencies for the future?

Yluska Bambirra Assunção, Iris Barbosa Goulart

Abstract


The changes in the labor market since the second half of the twentieth century have forced managers to define new ways of selecting and developing employees. In this context, they gained ground discussions on occupational training and competencies identification. This article is a theoretical study, which contributes to the academic conceptual understanding of the constructs professional qualification and competence and stimulates debate and research about which competencies will be most relevant to companies in the future. From the historical analysis and the evolution of these concepts, it becomes clearer the distinction between them, both in French and in American perspective. Interfaces are discussed with the contemporary setting and gives priority to American approach of competence, most widely used model in Brazil. The text aims to identify aspects of competence that address the contemporary setting of the working world and, given the characteristics of the future companies, mentioned in the literature, comments on the convergence of individual competencies (knowledge, skills and attitudes) and meeting future demands labor market.


Keywords


Competence. Occupational training. Knowledge. Skill. Attitude.

References


Araújo, G. D., Silva, A. B. da, & Brandão, J. M. F. (2015, abril/junho). O que revela a literatura internacional sobre os vínculos entre aprendizagem, competências e inovação? Revista de Administração e Inovação, 12(2), 7-37. Recuperado em 10 de setembro, 2015, de www.revistarai.org/rai/article/download/1190/pdf

Barbosa, A. C. Q., & Cintra, L. P. (2012, janeiro/junho). Inovação, competências e desempenho organizacional – articulando construtos e sua operacionalidade. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, 4(1), 31-60.

Birchal, S. de O., & Muniz, R. M. (2002). A lógica do capitalismo e o trabalho humano. In I. B. Goulart (Org.), Psicologia organizacional e do trabalho: teoria, pesquisa e temas correlatos (pp. 23-36). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Borges, L. de O., & Yamamoto, O. H. (2014). O mundo do trabalho. In C. Zanelli, J. E. Borges-Andrade, & A. V. B. Bastos (Orgs.), Psicologia, organizações e trabalho no Brasil (2a. ed., pp. 25-68). Porto Alegre: Artmed.

Calvosa, M., Vilhena, T., Xavier, A., & Xavuem, L. (2012). Desenvolvimento pessoal e profissional de futuros gestores: como a geração Y encara as competências necessárias para o aumento da empregabilidade e para o sucesso no ambiente profissional. Anais do Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 36, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Champy, J. (2010). Supere seus rivais vendo o que os outros não veem. In F. Hesselbein, & M. Goldsmith, A nova organização do futuro: visões, estratégias e insigths dos maiores líderes do pensamento estratégico (pp. 3-12). Rio de Janeiro: Elsevier.

Chanlat, J. F. (1996). O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. São Paulo: Atlas.

Delors, J. (Coord.). (2010). Os quatro pilares da educação. In J. Delors, Educação: um tesouro a descobrir. São Paulo: Cortez.

Drucker, P. (1997). Introdução – rumo à nova organização. In F. Hesselbein, M. Goldsmith, & R. Beckhard, A organização do futuro: como preparar hoje as empresas de amanhã (pp. 15-19). São Paulo: Futura.

Dugué, E. (2004). A lógica da competência: o retorno do passado. In A. Tomasi (Org.), Da qualificação à competência (pp. 19-32). Campinas, SP: Papirus.

Dutra, J. S. (2004). Competências: conceitos e instrumentos para gestão de pessoas da empresa moderna. São Paulo: Atlas.

Dutra, J. S. (2008). Estudo prospectivo do setor siderúrgico. Brasília: CGEE.

Dutra, J. S., Fleury, M. T., & Ruas, R. (2008). Competências: conceitos, métodos e experiências. São Paulo: Atlas.

Fartes, V. L. B. (2008, setembro/dezembro). Formação profissional, profissões e crise das identidades na sociedade do conhecimento. Cadernos de Pesquisa, 38(135), 583-585.

Filion, L. J. (1999, abril/junho). Empreendedorismo: empreendedorismo e proprietários-gerentes de pequenos negócios. Revista de Administração de Empresas - RAE, 34(2), 5-28.

Fleury, M. T. L., & Fleury, A. (2001). Construindo o conceito de competência. Revista de Administração Contemporânea - RAC, 5(edição especial), 183-1961. Recuperado em 20 de março, 2014, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-65552001000500010&lng=en&nrm=iso

Fleury, M. T. L., & Fleury, A. (2001). Apresentação. In P. Zarifian, Objetivo: competência. Por uma nova lógica. São Paulo: Atlas.

Garcia, S. R. de O. (2000, setembro). O fio da história: a gênese da formação profissional no Brasil. Núcleo de Estudos da UFMG. Belo Horizonte: Unisinos, n. 2. Recuperado em 12 de fevereiro, 2015, de http://www.anped. org.br/reunioes/23/textos/0904t. PDF

Gergen, C., & Vanourek, G. (2010). Organizações dinâmicas para uma época empreendedora. In F. Hesselbein, & M. Goldsmith, A nova organização do futuro: visões, estratégias e insigths dos maiores líderes do pensamento estratégico (pp. 155-169). Rio de Janeiro: Elsevier.

Goulart, I. B., & Guimarães, R. F.(2002). Cenários contemporâneos do mundo do trabalho. In I. B. Goulart (Org.), Psicologia organizacional e do trabalho: teoria, pesquisa e temas correlatos (pp.9-22). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Hammer, M. (1997). A essência da nova organização. In F. Hesselbein, M. Goldsmith, & R. Beckhard, A organização do futuro: como preparar hoje as empresas de amanhã (pp. 41-48). São Paulo: Futura.Harmon, F. G. (1997). O presente do futuro. In F. Hesselbein, M. Goldsmith, & R. Beckhard, A organização do futuro: como preparar hoje as empresas de amanhã (pp. 260-269). São Paulo: Futura.

Hirata, H. (1994). Da polarização das qualificações ao modelo da competência. In J. C. Ferretti et al. (Orgs.), Novas tecnologias, trabalho e educação: um debate multidisciplinar (pp. 128-137). Petrópolis: Vozes.

Hirata, H. (2001). Entre trabalho e organização, a competência. In P. Zarifian, Objetivo: competência. Por uma nova lógica (pp. 13-19). São Paulo: Atlas.

Kouzes, J. M., & Posner, B. Z. (2010). A missão do líder: crie um senso compartilhado de destino. In F. Hesselbein, & M. Goldsmith, A nova organização do futuro: visões, estratégias e insigths dos maiores líderes do pensamento estratégico (pp. 27-35). Rio de Janeiro: Elsevier.

Lawer, E. E., III, & Worley, C. G. (2010). Desenhando organizações feitas para mudar. In F. Hesselbein, & M. Goldsmith, A nova organização do futuro: visões, estratégias e insigths dos maiores líderes do pensamento estratégico (pp. 184-198). Rio de Janeiro: Elsevier.

Le Boterf, G. (1995). De la compétence – essai sur un attracteur étrange. Paris: Les Éditions d’Organisations.

Le Boterf, G. (2003). Desenvolvendo a competência dos profissionais. Porto Alegre: Artmed.

Le Boterf, G. (2006). Avaliar a competência de um profissional: três dimensões a explorar. Reflexão RH, 61-63. Recuperado em 16 de junho, 2015, de http://www.guyleboterf-conseil.com/Article%20evaluation%20version%20directe%20Pessoal.pdf

Leite, A. C., & Goulart, I. B. (2006). Competência na perspectiva do trabalho. In I. B. Goulart (Org.), Temas de Psicologia e Administração.(pp. 9-22). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Lombardia, P. G., Stein, G., & Pin, J. R.(2008, mayo). Politicas para dirigir a los nuevos professionales: motivaciones y valores de la generacion Y. Documento de investigación. DI-753.

Malvezzi, S. (1999). Empregabilidade e carreira. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 2(1), 55-72.

Malvezzi, S. (2014). Prefácio. In C. Zanelli, J. E. Borges-Andrade, & A. V. B. Bastos (Orgs.), Psicologia, organizações e trabalho no Brasil (2a. ed., pp.13-22). Porto Alegre: Artmed.

Manfredi, S. M. (1999, setembro). Trabalho, qualificação e competência profissional – das dimensões conceituais e políticas. Educação & Sociedade, 19(64), 13-49. Recuperado em 15 de março, 2015, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73301998000300002&lng=en&nrm=iso

McClelland, D. C. (1973, January). Testing for competence rather than for "intelligence". American Psychologist, 28(1), 1-14. Recuperado em 20 de junho, 2015, de http://mohandasmohandas.com/african1/ap7301001(1).pdf

Minello, I. F., Scherer, L. A., & Alves, L. C. (2012). Competências do empreendedor: uma análise com empreendedores que vivenciaram o insucesso empresarial. Revista de Negócios, 17(4), 74-90.

Peixoto Filho, J. P., & Silva, C. R. C. (2014, setembro/dezembro). Inter-relações entre trabalho, educação profissional e desenvolvimento. Trabalho& Educação, 23(3), 71-85.

Perrenoud, P. (1999). Construir as competências desde a escola. Porto Alegre: Artes Médicas Sul.

Ramos, M. N. (2006). A pedagogia das competências: autonomia ou adaptação? São Paulo: Cortez.

Rao, S. S. (2010). Um tipo diferente de empresa. In F. Hesselbein, & M. Goldsmith, A nova organização do futuro: visões, estratégias e insigths dos maiores líderes do pensamento estratégico (pp. 36-46). Rio de Janeiro: Elsevier.

Sá, P., & Paixão, F. (2013). Contributos para a clarificação do conceito de competência numa perspetiva integrada e sistémica. Revista Portuguesa de Educação, 26(1), 87-114.

Silva, E. L. da, & Cunha, M. V. da. (2002, setembro/dezembro). A formação profissional no século XXI: desafios e dilemas. Ci. Inf., 31(3), 77-82.

Somerville, I., & Mroz, J. E. (1997). Novas competências para um novo mundo. In F. Hesselbein, M. Goldsmith, & R. Beckhard, A organização do futuro: como preparar hoje as empresas de amanhã (pp. 84-98). São Paulo: Futura.

Spencer, L. M., McClelland, D. C., & Spencer, S. (1994). Competency assessment methods: history and state of the art. Boston: Hay Mc BerResearch Press.

Ulrich, D., & Smallwood, N. (2010). A organização não é estrutura e sim capacidade. In F. Hesselbein, & M. Goldsmith, A nova organização do futuro: visões, estratégias e insigths dos maiores líderes do pensamento estratégico (pp. 13-26). Rio de Janeiro: Elsevier.

Vieira, A., & Ribeiro da Luz, T. (2005, abril/junho), Do saber aos saberes: comparando as noções de qualificação e de competência. O&S, 12(33), 93-108.

Wood Jr, T., Tonelli, M. J., & Cooke, B. (2011, maio-junho). Colonização e neo-colonização da gestão de recursos humanos (GRH) no Brasil (1950-2010). Revista de Administração de Empresas- RAE, 51(3), 232-243.

Zarifian, P. (2012). Objetivo competência. Por uma nova lógica. São Paulo: Atlas.




DOI: https://doi.org/10.24023/FutureJournal/2175-5825/2016.v8i1.249

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM




Copyright (c) 2016 Future Studies Research Journal: Trends and Strategies

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Future Stud. Res. J. e-ISSN: 2175-5825

Mailing Address: Avenida Drª Ruth Cardoso, 7221 - CEP 05425-070 - Pinheiros - São Paulo/SP - Brasil

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.