Programas de Fidelização na Era Digital: uma Análise Comportamental do Consumidor no Setor de Restaurantes.

Roberto Ilidio, Julia Pinheiro Rizzi, Henrique Senna, Guilherme de Paula Florêncio

Abstract


Com a importância crescente do mercado de restaurantes e a expressiva expansão da internet no Brasil, soluções de fidelização tendem a migrar para um formato digital, baseada em aplicativos para smartphones em detrimento de soluções baseadas em cartões e carimbos. O presente trabalho tem como objetivo principal quantificar, definir perfil e classificar preferência dos consumidores adeptos, ou com potencial à adesão, a soluções de programas de fidelização para restaurantes. Os números do mercado de restaurantes e de internet no Brasil são levantados para dimensionar o potencial destas soluções de fidelização baseado em internet. A pesquisa predominantemente quantitativa consistiu em aplicar questionário pela internet. Coletou-se 220 respostas válidas, e obteve-se intervalo de confiança de 95% e erro amostral de 6,6%. Utilizou-se testes de hipótese ANOVA e modelos de regressão para quantificar a correlação entre variáveis estudadas. Concluiu-se que a variável renda tem a maior capacidade de explicar a adesão a programas de fidelidade para restaurantes, assim como ocorre também em outros segmentos, e que estes programas geram fidelidade comportamental e atitudinal. Além disso, soluções digitais são bem aceitas, abrindo espaço para novas alternativas de programas de fidelidade.


Keywords


Pesquisa de mercado;Marketing; Fidelização de clientes; Programas de fidelidade

References


Aaker, D. A.; Kumar, V.; Day, G. S. (2004). Pesquisa De Marketing. 2 Ed. São Paulo: Atlas

ABIA (2014). Faturamento do segmento de Service Foods, Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação. Acesso em 25 Fev. 2014. Disponível em .

Anderson, D. R.; Sweeney, D. J.; Williams, T. A. (2013). Estatística aplicada à administração e economia. 3. ed. São Paulo: Cengage Learning.

Banco Central do Brasil (2014). Indicadores econômicos consolidados. Acesso em 25 Fev. 2014. Disponível em http://www.bcb.gov.br/?INDECO/.

CETIC (2013). Pesquisa TIC Domicílios. São Paulo, Comitê Gestor da Internet.

Collact (2015). Acesso em 27 Fev. 2015. Disponível em .

Deloitte (2014) Deloitte Survey: Restaurant Loyalty Programs Need Spice. PR Newswire US. Mar. 31, 2014.

Dick, A.S.; Basu, K. (1994). Customer Loyalty: Toward an Integrated Conceptual Framework, Journal of the Academy of Marketing Science, Winter, 99-113.

Durrett, R. (2010). Probability: theory and examples. Cambridge university press.

Gómez, B. G.; Arranz, A. G.; Cillan, J. G. (2006). The role of loyalty programs in behavioral and affective loyalty. The Journal of Consumer Marketing, Santa Barbara, v. 23, n. 7, p. 387-396.

Google Forms (2015). Acesso em 25 Fev. 2015. Disponível em .

Grubster (2015). Acesso em 27 Fev. 2015. Disponível em < www.grubster.com.br/assinar>.

Hobbs, R; Rowley J. (2008). Are pub discount cards loyalty cards? Journal of Consumer Marketing. 25, 6, 369-377, oct. 2008. issn: 07363761.

IBGE (2014), Estimativa Populacional 2014, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (1 de julho de 2014). Visitado em 29 de agosto de 2014.

IFB (2015). Números do segmento de Food Service no Brasil, Instituto Food Service Brasil. Acesso em 25 Fev. 2015. Disponível em .

FIESP (2015). Mesmo com crise, setor de alimentação continua a crescer no Brasil. Acesso em 20 jul. 2015. Disponível em .

Jensen, J. M.; Hansen, T. (2006). An empirical examination of brand loyalty. Journal of Product & Brand Management, v. 15, n. 7, p. 442-449.

Kantar (2014). Pesquisa sobre uso do smartphone no Brasil, Kantar World Panel. Acesso em 22/02/2015. Disponível em .

Kotler, P.; Keller, K. L. (2012). Marketing Management. 14. Ed. New Jersey: Pearson Prentice Hall.

Koziolek, N.; Pires, T. (2011). Compras coletivas: a evolução do mercado online. Acesso em 15 jan. 2015. Disponível em .

Lapponi, J. C. (2005). Estatística usando excel. 4. ed. Rio de Janeiro: Campus.

Larán, J. A.; Spinoza, F. S. (2004). Consumidores satisfeitos, e então? Analisando a satisfação como antecedente da lealdade. Último acesso em: 25 jul 2015. Disponível em .

Malhotra, N. K. (2001). Marketing research: an applied orientation. 3 ed. Upper Saddle River: Prentice Hall.

Milone, G. (2009). Estatística Geral e Aplicada. São Paulo: Centage

Learning, 2009. isbn 85-221-0339-9. Capítulo 12.

Silva, V. A. (2016). Por que criar um aplicativo para restaurante? Último acesso em 15 abr 2016. Disponível em .

TELECO (2015). Usuários de internet no Brasil. Acesso em 25 Fev. 2015. Disponível em .

Terzian (2016). Na contramão da crise, setor de alimentação cresce sem parar. Último acesso em: 20 fev.2016. Disponível em .




DOI: https://doi.org/10.24023/FutureJournal/2175-5825/2018.v10i1.291

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM




Copyright (c) 2018 Future Studies Research Journal: Trends and Strategies

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Future Stud. Res. J. e-ISSN: 2175-5825

Mailing Address: Avenida das Nações Unidas, 7221 - CEP 05425-070 - Pinheiros - São Paulo/SP - Brasil

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.