Responsabilidade Social Corporativa e Desempenho Financeiro: Uma Revisão Sistemática da Literatura Internacional

Guilherme Primo Matias, Fabio Emanuel Farago

Abstract


Objetivo do estudo: Este trabalho tem por objetivo discutir a relação entre a responsabilidade social corporativa (RSC) e o desempenho financeiro (DF) por meio de uma revisão sistemática da literatura internacional.

Metodologia: A metodologia utilizada foi uma revisão sistemática em duas bases de dados internacionais: Scopus e Web of Science. O período da pesquisa foi de 2007 a 2017. Após a aplicação de filtros, foram selecionados para análise 20 artigos.

Originalidade/Relevância: A relação entre a RSC e o DF tem sido explorada desde a década de 60, entretanto, a literatura se divide entre trabalhos que sugerem uma relação positiva entre a RSC e o DF e aqueles que afirmam uma relação negativa. Este artigo apresenta uma investigação detalhada acerca dessa relação.

Principais resultados: Entre as principais contribuições, se destacou que 95% dos artigos são quantitativos, 50% afirmam uma relação positiva direta entre RSC e DF, 25% uma relação positiva indireta e 25% uma relação negativa. Foi observado também que todos os artigos têm por objetivo verificar a relação entre a RSC e o DF, para tanto, a grande maioria se utiliza de modelos de regressão e instrumentos estatísticos tradicionais.

Contribuições teóricas: A análise dos resultados apontou que a falta de uma pluralidade de metodologias se configura como uma limitação da literatura, que têm se mostrado ineficiente em dar respostas concretas na relação entre a RSC e o DF, que ainda carece de um consenso.


Keywords


RSC; Desempenho social; Revisão de literatura

References


Alberton, A.; Costa Junior, N. C. A. (2007). Meio ambiente e desempenho econômico-financeiro: benefícios dos sistemas de gestão ambiental (SGAs) e o impacto da ISO 14001 nas empresas brasileiras. RAC-Eletrônica, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 153-171.

Azevedo, A. C; Santos, D. P; Boaventura, J. M. G. (2016). Corporate social performance: Análise da evolução do construto nos estudos empíricos publicados entre 1975 e 2014. Revista Perspectivas Contemporâneas, v. 11, n. 3, p. 19-38, set./dez.

Baraibar-Diez, E.; Sotorrío, L. L. (2018). O efeito mediador da transparência na relação entre responsabilidade social corporativa e reputação corporativa. Revista Brasileira de Gestão e Negócios, São Paulo, v.20 n.1, p. 5-21, jan-mar.

Barakat, S. R; Boaventura, J. M. G; Polo, E. F. (2017). Alinhamento estratégico da responsabilidade social corporativa: um estudo de caso no setor bancário brasileiro. REAd | Porto Alegre – Edição 86 - N° 1 – Janeiro / Abril – p. 206 – 233

Barki, Edgard. (2015). Negócios de Impacto: Tendência ou Modismo? GV Executivo, v. 14, p. 14-17.

Battilana, Julie; Dorado, Silvia. (2010). Building sustainable hybrid organizations: The case of commercial microfinance organizations. Academy of Management Journal, v. 53, n. 6, p. 1419-1440.

Battilana, Julie; Lee, Matthew. (2014). Advancing research on hybrid organizing–Insights from the study of social enterprises. The Academy of Management Annals, v. 8, n. 1, p. 397-441.

Bertoncello S. L. T; Chang Junior, J. (2007). A importância da Responsabilidade Social Corporativa como fator de diferenciação. Revista da Faculdade de Comunicação FAAP (FACOM), 17, 70-76.

Bezerra, R. B. (2007). Responsabilidade Social Corporativa: Uma Proposta Metodológica para Orientação De Iniciativas. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Blasi, S.; Caporin, M.; Fontini, F. (2018). A Multidimensional Analysis of the Relationship Between Corporate Social Responsibility and Firms' Economic Performance. Ecological Economics, 147, 218–229.

Carroll, A. B. (2015). Corporate social responsibility: The centerpiece of competing and complementary frameworks. Organizational Dynamics, 44, 87-96.

Cavalcanti, J. M. M.; Boente, D. R. (2012). A relação de risco e retorno nas empresas integrantes do Índice de Sustentabilidade Empresarial no período de 2008 a 2010. Revista Ambiente Contábil, Natal, v. 4, n. 1, p. 51-71.

Chaves, T.J; Rocha, T. V; Reuther, J; Galhanone, R. F. (2017). Social business in multinational corporations: an analysis of marketing practices. São Paulo, v.12. n. 1, p. 62-75, jan/abr.

Chiavenato, I. (2002). Recursos Humanos. Edição compactada. São Paulo: Editora Atlas. 7ª Edição.

Cochran, P. F.; Wood, R. A. (1984). Corporate Social Responsibility and Financial Performance. The Academy of Management Journal, Vol. 27, No. 1, pp. 42-56.

Comini, G. M; Barki, E; Aguiar, L. T. (2012). A three-pronged approach to social business: a Brazilian multi-case analysis. Revista de Administração (FEA-USP), v. 47, p. 385-397.

Galvão, C. M.; Sawada, N. O.; Trevizan, M. A. (2004). Revisão Sistemática: Recurso que Proporciona a Incorporação das Evidências na Prática da Enfermagem. Revista Latino- Americana de Enfermagem, v. 12, n. 3, p. 549-556.

Hull, C. E.; Rothenberg, S. (2008). Firm Performance: The Interactions of Corporate Social Performance with Innovation and Industry Differentiation. Strategic Management Journal, 29: 781–789.

Jamali, D.; Karam, C. (2016). Corporate Social Responsibility in Developing Countries as an Emerging Field of Study. International Journal of Management Reviews, Vol. 00, 1-30.

Kim, K. H; Kim, M.; Qian, C. (2015). Effects of Corporate Social Responsibility on Corporate Financial Performance: A Competitive-Action Perspective. Journal of Management, vol. XX No. X, Month XXXX 1 –22.

Li, J. J.; Zhou, K. Z.; Shao, A. T. (2009). Competitive position, managerial ties, and profitability of foreign firms in China: An interactive perspective. Journal of International Business Studies, 40: 339-352.

Marques, N. S; Faria, A. M; Sbragia, R; Oliveira Junior, M. M. (2016). Incubadoras de empresas: Análise bibliométrico da produção cientifica entre 1985 e 2014. Revista Livre de Sustentabilidade e Empreendedorismo, v. 1, n. 3, p. 49-70, set-out.

Matten, D.; Crane, A.; Chapple, W. (2003). Behind the Mask: Revealing the True Face of Corporate Citizenship. Journal of Business Ethics. Vol. 45, p.109-120.

Prahalad, C. K. (2005). The Fortune at the Botton of the Pyramid: Eradicating Poverty through Profits, Upper Saddle River, NJ: Wharton School Publishing.

Prahalad, C. K.; Hart, Stuart. (2002). The Fortune at the Bottom of the Pyramid. Strategy +Business, Chicago, v. 22, p. 1-14, Jan.

Ribeiro, H. C. M; Tavares, V. C. M; Costa, B. K. (2016). Cocriação de valor: uma bibliometria de 2000 a 2014. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, Florianópolis, v.9, n.1, jan./abr.

Rossi Júnior, J. L. (2009). What is the value of corporate social responsibility? An answer from Brazilian sustainability index. Journal of International Business and Economics, Madison, v. 9, p. 169-178.

Sarturi, G; Seravalli, C; Boaventura, J. M. G. (2015). Afinal o que é distribuir valor para os stakeholders? Uma análise bibliográfica sobre o tema. Rev. Adm. UFSM, Santa Maria, v. 8, Ed. Especial XVI ENGEMA, p. 92-113.

Srour, R. H. (1998). Poder, cultura e ética nas organizações. Rio de Janeiro: Editora Campus. 8ª Edição.

Teodósio, A. S. S; Comini, G. M. (2012). Inclusive business and poverty: prospects in the Brazilian context. Revista de Administração (FEA-USP), v. 47, p. 410-421.

Thornton, P. H; Ocasio, W. (2008). Institutional Logics. In: GREENWOOD, R.; OLIVER, C.; SAHLIN, K.; SUDDABY, R. The Sage Handbook of Organizational Institutionalism. Great Britain: Sage Publications, p. 99-129.

Waddock, S. A.; Graves, S. B. (1997). The Corporate Social Performance- Financial Performance Link. Strategic Management Journal, Vol. 18:4, 303-319.




DOI: https://doi.org/10.24023/FutureJournal/2175-5825/2021.v13i1.359

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM




Copyright (c) 2020 Future Studies Research Journal: Trends and Strategies

Future Stud. Res. J. e-ISSN: 2175-5825

Mailing Address: Avenida Drª Ruth Cardoso, 7221 - CEP 05425-070 - Pinheiros - São Paulo/SP - Brasil

The publications of this journal are licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.